Assembleia de Deus - Congregação Cidade Ademar 2 Setor 08 - Ministério do Belém

Rua Doutor Márcio Martins Ferreira, 68
São Paulo, SP.
04405-060

contato@adademar2.com.br

Educação cristã - parte 1

01/10/2013 17:34

Em nosso país, percebemos cada vez mais a importância de se repensar seriamente o que é educação. Esse assunto não é tarefa única de professores engajados em causas político-partidárias, como muitos pensam. Antes, a sociedade como um todo clama por mudanças urgentes na educação.

Não é objetivo principal, neste texto, analisar as diferentes linhas pedagógicas ou teorias da educação que têm surgido nos últimos decênios. Essa é uma tarefa hercúlea, mas importante, a qual todos os envolvidos na educação devem fazer.

Aqui, a questão está focada em um aspecto de fundamentação, que perpassa toda a educação contemporânea e se mostra como radical – no sentido de raiz, fundamentação – para uma educação voltada a ensinar os princípios constituintes de uma cidadania plena. Ou seja: falamos da educação cristã.

A fim de vislumbrarmos a dimensão e radicalidade da educação cristã para o ser humano, iniciemos por contextualizar o tema no mundo em que vivemos. Até um passado bastante recente, a educação era praticada dentro dos parâmetros constitutivos do conhecimento. Nestes parâmetros, a noção geral de tempo e espaço era uma segurança para todos. Assim, a educação tinha “um lugar” em “um tempo” da vida. Daí a noção de tempo e lugar de estudo, professor e aluno, formalizando uma compreensão vigente até nossos dias dos papéis de professor e aluno; mas descaracterizada nos últimos decênios.

Vejamos, de modo muito rápido, como foi o desenvolvimento da educação formal na história no mundo ocidental cristão.

Como desde o século V a instrução e a educação dos jovens estavam intimamente vinculadas à liderança da Igreja, todos os que procuravam por uma formação formal tinham a necessidade de buscar a mesma junto à Igreja.No século XII, a educação sofre um avanço que põe fim ao monopólio eclesiástico sobre a educação. Isso ocasionou que muitos dos recém-constituídos Conselhos Municipais procurassem iniciar espaços destinados ao ensino fora dos muros da Igreja. No entanto, a educação estava em crise e com dificuldade de subsistência.