Assembleia de Deus - Congregação Cidade Ademar 2 Setor 08 - Ministério do Belém

Rua Doutor Márcio Martins Ferreira, 68
São Paulo, SP.
04405-060

contato@adademar2.com.br

Mulheres - Climatério: uma nova fase na vida da mulher

25/08/2013 17:29

A mulher vivencia uma experiência singular. É muito importante que, não apenas a mulher, mas também o marido e familiares tenham conhecimento da ocorrência  fisiológica que acontece na vida feminina, por ocasião da mudança hormonal decorrente do esgotamento folicular ovariano. Na verdade, tal entendimento, implica na necessária colaboração para se conseguir a superação da eventual crise que poderia acontecer no comportamento e convivência de todos.

 

Seria mesmo, transformar o processo do envelhecimento ou senilidade, em uma experiência profícua de senectude, onde a possibilidade de vida saudável e feliz se torna uma realidade factível e vantajosa.

Na ocasião em que a produção hormonal dos ovários se altera,  quando ocorre  um declínio  quantitativo, se inicia a transição da fase reprodutiva para a não reprodutiva, conseqüente, como se sabe, da exaustão ovarica, a mulher entra no período chamado de climatério. Não existe uma delimitação nítida, de idade ou clinica ocorrente, mas  é um evento que, em media, pode durar até um terço da vida da mulher. Nesse tempo vai  ter lugar a menopausa, que é tão somente a ultima  menstruação que acontece, finalizando definitivamente a fase catamenial.

 O climatério pode ser classificado, então, em pré-menopausico (aquele que antecede a menopausa), perimenopausico (referente a tempo de menopausa) e o pos-menopausico (quando trata a subseqüência da menopausa).

No esquema sinótico, a seguir incluído, se visualiza a temporariedade dos fatos:

          

Uma das primeiras sinalizações de que se aproxima a fase climaterica na vida da mulher é a  queda da fertilidade, e a irregularidade na menstruação, com atraso e/ou adiantamento do fluxo, chegando em seguida a cessação completa desse evento.  Na verdade, sinal de profundas modificações no âmbito vivencial feminino, e, por conseguinte, merecedor da mais completa atenção e cuidado a propósito. Notadamente, as alterações são na esfera física e psicoemocional, onde as ondas de calor se tornam bastante incomodas, ocorrendo, então, situações de insônia, irritabilidade, humor instável, lapsos de memória, e ate mesmo depressão e angustia podem  acontecer.

Na realidade brasileira cerca de 75% das mulheres apresentam sintomas em maior ou menor grau de severidade. Há também um ganho de peso não justificado, surgindo ainda celulite, varizes, e flacidez das mamas.

A repercussão hormonal do baixo estrogenismo  estabelece uma pele muito frágil e ressecada, onde os cabelos e mucosas também se desgastam, modificando a expressão com ares de um envelhecimento precoce e antecipado. A própria atrofia  das mucosas pode causar  situações como infecções urinarias repetidas e  dificuldades de relacionamento sexual pela sintomatologia dolorosa que se  manifesta nesse ato.

A maior preocupação nesse tempo climaterico e a maior vulnerabilidade diante das doenças cardiovasculares, como a hipertensão arterial, o infarto do miocárdio e os derrames cerebrais.  A incidência de tais patologias faz aumentar a mortalidade nas mulheres de meia idade já situadas dentro do climatério.

Não se pode deixar de mencionar que num instante mais adentrado da falência ovariana ocorre uma perda de massa óssea,  causadora de fraturas com deformidades, dores, e invalidez, exigindo, em conseqüência, cirurgias de grande porte. A incapacitação  ou morte, são devidas,  aos malefícios decorrentes da osteoporose, acometendo um grande numero de mulheres.   

O acompanhamento medico e tratamento preventivo são fundamentais durante o climatério. A reposição hormonal tem sido muito indicada, pela maioria dos médicos, como de eleição no tratamento das pacientes. E se torna indispensável que antes de começar a utilização dos hormônios seja feita uma avaliação medica bem detalhada, com exames laboratoriais, e seguimento dentro de uma periodicidade adequada.

Atualmente a mulher em idade dentro do climatério tem uma condição de franca produção laborativa e,  em condições de poder ter, também,  qualidade de vida. Não se pode, deste modo, permitir que se percam, a sua experiência e maturidade, como citado na Palavra (Tt 2:3-5), deixando de atender a possível prevenção e reparação dos danos a sua saúde, com os cuidados atualmente existentes!

Dr. Paulo Talizin

CRM PR 7625