soldadoEm um exército é fundamental que haja unidade. A força da união é imbatível e estratégica para se alcançar a vitória.  Precisamos ver o grupo, em primeiro lugar.  O que o inimigo gosta de usar para vencer uma batalha é dividir a igreja. Quantas vezes vi ótimos ministérios acabarem por causa de divisão. As causas mais comuns da divisão são: projetos pessoais que conflitam com o projeto do grupo; dificuldade para perdoar; divergências de projetos; e falta de oração e jejum em grupo.

Na guerra existe um incidente denominado “fogo amigo”. Isso ocorre quando o exército, por engano, atira e acerta aliados em vez de inimigos. Infelizmente, isso ocorre com muita frequência em nossos ministérios de jovens – um querendo derrubar o outro para assumir o poder. Não estamos deixando nem o inimigo fazer o seu trabalho, já estamos fazendo por ele.

O verdadeiro soldado dá a vida por seu colega. Se ele é alvejado todos param para ajudá-lo. É assim, por exemplo, no BOPE. Esse foi o exemplo que Paulo nos lembra: “Por isso vo-lo enviei mais depressa, para que, vendo-o outra vez, vos regozijeis, e eu tenha menos tristeza. Recebei-o, pois, no Senhor com todo o gozo, e tende-o em honra; porque pela obra de Cristo chegou até bem próximo da morte, não fazendo caso da vida para suprir para comigo a falta do vosso serviço” (Fl 2.28-30).

Paulo nunca trabalhou sozinho no crescimento da igreja. Em sua caminhada foi agregando pessoas que fizeram a diferença como ele e com ele. O apóstolo cita várias delas em seus escritos (Rm 16.1-27).

A seleção de futebol da Espanha sempre teve bons jogadores, mas nunca venceu nada. Um dos problemas era a desunião entre jogadores do Real Madri e do Barcelona. Esse problema tem a ver com uma antiga briga entre as duas regiões. Barcelona é a capital da Catalunha, uma região que ainda hoje luta para se separar do país. Essa questão é tão forte que ia para as relações entre os jogadores do time. Depois de várias tentativas fracassadas, um novo técnico foi contratado, Vicent Del Bosque. Ele percebia que a equipe não ia bem e que a causa não era técnica, mas relacional.  Foi, então, que ele reuniu os jogadores e os confrontou a andarem em unidade, deixar de lados as diferenças regionais e trabalharem juntos para serem campeões. Eles entenderam a mensagem e passaram a agir de acordo com a proposta. Resultado: eles ganharam duas Eurocopa e uma Copa do Mundo.

Da mesma forma precisamos entender que um ministério precisa de pessoas unidas para andar. Cada um tem sua habilidade e com isso vão se completando os dons. Assim, acontece o crescimento.

 

Fonte: :: Pastores Richarde Guerra e Lucinho Barreto